* Liberte os culpados e seja livre!

Se há uma coisa que venho pensando nos últimos tempos é sobre a história de vida de cada um .
No trabalho enquanto Psicologa clínica sou ofertada com histórias preciosas tecidas de alegrias e sofrimentos, medos e perdas, dores e alívios, sonhos e conquistas.
A medida que vou caminhando na história de cada  cliente vai surgindo dentro de mim uma “ Gana” por ajuda/lo(a) a descobrir seu lugar em sua própria história!
As pessoas , na maioria das vezes buscam sempre um culpado para o que estão vivendo e sentindo, tentam localizar o responsável pelo o que estão passando e buscam inocentar-se de qualquer responsabilidade.
Enquanto escrevia este texto me deparei  com um vídeo em que o ator Will Smith falava algo que certamente faz muita diferença no enfrentamento das crises pelas quais precisamos passar.

O autor falava que há uma diferença entre culpa e responsabilidade e é bem verdade! Quando culpamos alguém por algo que deu ou está dando errado em nossas vidas nos vitimizamos e convidamos a tristeza para morar eternamente dentro de nós.
Como dizia Will Smith “ não é sua responsabilidade se seu pai foi um abusador alcoólatra, mas é sua responsabilidade aprender como lidar com seus traumas e tentar construir uma vida fora disso. É sua responsabilidade saber como pegar sua dor e tentar superar isso e construir uma Vida feliz por si mesmo.”
O ator afirmava ainda que, quando  culpamos alguém por algo, normalmente queremos que seja responsabilidade do outro consertar , queremos que ele pague, que ele sofra, queremos punir o outro a quem chamamos de culpado. Mas não é assim que funciona, dizia Will Smith. E é fato!  Precisamos nos livrar de dores emocionais que carregamos anos a fio como correntes  em nossas costas.
Na clínica, sempre costumo dizer ao cliente que se o outro não o olhou com zelo e cuidado,  este tem o dever de olhar assim para si; tem o dever de cuidar bem de sua própria vida; tem o dever de fazer uma aliança consigo e reverenciar sua história que é feita de dias sombrios e dias de sol.
Para isso é necessário buscar a resiliência da alma, decidir fazer da dor um caminho para o crescimento e para aceitação de fatos que não podemos mudar,  mas que podemos alterar a forma de olhar.
Tornar-se mais responsável de si e libertar os culpados é um precioso passo para uma vida emocional saudável. A psicoterapia auxilia muito neste processo de descobrir os nós e buscar desata-los.
Libertar o outro implica em perdão, algo estabelecido por Deus nas sagradas escrituras desde sempre. Perdoar não significa esquecer ou apagar os fatos, mas significa lembrar do ocorrido sem dor,sem sofrimento, sem vitimização.
É claro que entre o fato dolorido ocorrido e o ato do perdão tem um intervalo necessário para as emoções se ajustarem. A elaboração da dor e o perdão exige tempo e é necessário respeitar isso. Entretanto não podemos ficar muito tempo em lugares tóxicos dentro de nós mesmos. Não devemos nutrir sentimentos que nos levem a morte emocional. O ato de libertar o outro de “ suas culpas “ nos liberta de nossas dores.
Cuide-se, faça uma aliança com você e reverencie sua história.

Acredite, Deus nos deu uma capacidade psíquica para o enfrentamento de nossas dores. Afinal, é  lá nas sagradas escrituras que encontramos a preciosa porção da Palavra de Deus  que  diz :  “Ele  não nos dá um fardo maior do que aquele podemos  suportar …”

Segue o link do vídeo: https://youtu.be/eXmhRFbWb9I

 

img-20160622-wa0008* Vânia Martins – Graduada em Psicologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina. Pós Graduada em Psicodrama, pela Lócus/Partner RH, com foco em Psicoterapia bipessoal, casal  e grupos, obtendo o título de Psicoterapeuta Psicodramatista. Pós Graduada em Terapia Familiar Relacional Sistêmica, pelo Eirene do Brasil, Blumenau, 2014, com foco em Psicologia Clínica a casais, famílias e indivíduos, obtendo o título de Psicoterapeuta Familiar Sistêmica.

Get a free blog at WordPress.com Theme: Fusion by digitalnature.