*A costureira e a Formiga

*Por Edla Zim

Agosto de 1973 fazia muito frio. Lembro-me de acordar animada porque
naquele dia eu provaria a roupa para o meu aniversário de 10 anos. Naquela
época ganhávamos roupas em ocasiões especiais. Na maioria das vezes as
roupas eram herdadas dos irmãos mais velhos ou das primas mais ricas.
Cheguei na costureira esbaforida, pois fui voando de bicicleta. Eu adora ir lá,
pois sempre tinha alguém chegando ou saindo do ranchinho que ficava lá nos
fundos do quintal. Tinha até uma trilha feita pelas clientes.
Na minha vez de fazer a prova, eu que era muito, mais muito magrinha, tirei
nove blusas. Não me lembro muito da conversa, mas lembro-me da costureira
pegando uma por uma e dobrando com carinho e rindo da situação.
45 anos depois, ainda sinto o mesmo amor quando chego agora em seu ateliê
ou sua loja. Ela foi a minha primeira costureira. Com sua tesoura, agulhas e
linhas, costurou minhas lindas roupas dos desfiles de 7 de setembro, das
apresentações no colégio, das roupas das missa, das festas americanas. Dos
bailes e depois as roupas de meus filhos e de meu marido.
Ela acompanhou minha trajetória. Não me entregou somente as roupas que fez
com esmero. Entregou-me em muitas oportunidades também, seu ombro e seu
precioso tempo para me ouvir.
Nestas quase cinco décadas, de cliente me tornei amiga. Dela e de toda a
família. Família que ela e seu marido dirigiram para o caminho dos tecidos, das
vendas, mas acima de tudo, pelo respeito e carinho aos clientes.
Para comemorar este tempo todo de muitos risos e prosas, nos reunimos na
minha casa, onde ela foi recebida com a filha e neta, para comemorarmos num
ensaio fotográfico, esta parceria que só me tem trazido alegrias.
Enquanto era fotografada, eu a via sentada no banco do jardim ou no solarium.
Me alegrava com a oportunidade de recebê-la pela primeira vez em minha
casa.
Não sou a única cliente de mais de 40 anos. Somos muitas. Não foi a toa que
por conta de todo o movimento desde o início, seu marido acabou nomeando A
Toca da Formiga sem querer. Hoje tem vitrines, tem lindas roupas, tem
conexão com clientes através de redes sociais, porém continua com a essência
preservada. Um atendimento caloroso, de muito respeito e muito amor.
Feliz Bodas de Rubi para nós, Bata querida.
E você, tem uma amizade assim pra recordar?

 

ivanacoluna* Edla Zim é Graduada em Administração de empresas, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda. Possui Pós Graduação em Gestão Empresarial e Recursos Humanos. Atuou quase 40 anos no mercado, dos quais 30 anos na empresa Tracebel Energia. Mas foi na família, que Edla conquistou sua maior formação e transformação. Palestrante de diversos temas voltados ao comportamento humano, família, mulheres, empresas e jovens.  

Saiba mais sobre Edla Zim clicando aqui

Get a free blog at WordPress.com Theme: Fusion by digitalnature.